MB Engenharia e no Meio Ambiente


GRUPO DE COLETORES SENDO HOMENAGEADOS

Vozes cotidianas embalam conexão

O amor do filho de 11 anos, deficiente auditivo, por um grupo de coletores de lixo levou uma dona de casa de 47 anos, a fazer um bolo de homenagem

 
Arquivo Pessoal Comemoração ao Dia dos Coletores de Resíduos, em Campinas, teve doce gostinho especial este ano

O amor do filho de 11 anos, deficiente auditivo, por um grupo de coletores de lixo levou uma dona de casa de 47 anos, moradora de Campinas, a fazer um bolo, com refrigerantes, para homenageá-los no dia em que lembra estes profissionais, que foi dia 16. A festa foi na última segunda-feira, só entre os profissionais, mas encheu o menino de alegria.

Gratidão expressa o sentimento que une essas histórias. O prazer de começar a ouvir, a felicidade contagiante desses profissionais e a satisfação da mãe pelo progresso auditivo do filho e pelo coração gigante desse menino.

Mateus Queiroz da Silva foi diagnosticado com deficiência auditiva ainda no ventre da mãe e desde de seu nascimento passou a receber tratamento especial. Aos cinco anos de idade começou a ter uma percepção auditiva mais acurada, devido aos acompanhamentos médicos. Em razão dessa percepção, o garoto passou a sentir o barulho das ferragens do caminhão de coleta e também dos gritos dos coletores de “pode ir”, "pare, pare", “vai, vai”, “Ouou”. “Ele ficava maravilhado. Então, toda vez que os coletores de lixo passavam na rua, ele corria no portão e dava tchau para os lixeiros. De tanto fazer isso, os lixeiros se tornaram amigos dele. Quando passam, param e o cumprimentam”, disse Eliete Queiroz da Silva.

A família mora no Parque Floresta 3, região do Campo Grande, e a coleta é feita às segundas, quartas e sextas-feiras, sempre no período da manhã. Apesar dos anos de amizade, Eliete só sabe o nome do motorista do caminhão: Zé Maria. Vez ou outra, ela sempre prepara alguma degustação para os coletores. “Mateus sempre pede para que eu faça para os amigos, o que eu sempre faço para ele e da mesma forma. Ele gosta de dar o melhor para os amigos”, falou.

Segundo Eliete, Mateus frequenta a Associação de Pais e Amigos de Surdos de Campinas (Apascamp) e um dos trabalhos da entidade para desenvolver a memorização dos alunos é as datas especiais. “No sábado, meu marido viu que era comemorado o Dia dos Coletores de lixo e ele me enviou no Facebook. Ao ler, avisei para o Mateus. Na hora, meu filho quis fazer uma festinha para os amigos, mas o avisei que era sábado e eles só trabalhariam na segunda-feira, mas que na segunda eu levantaria cedo e prepararia um bolo”, contou.

Na última segunda-feira, o garoto acordou mais cedo e acompanhou a mãe na preparação do bolo de um quilo e meio de chocolate com recheio de brigadeiro e cobertura de granulado, o bolo Vulcão. A mãe também comprou refrigerantes, talheres, pratos e copos descartáveis. Como sempre, Mateus, que vai completar 12 anos no dia 16 de julho, ficou no portão de casa esperando pela chegada dos amigos. “Se os lixeiros ficaram felizes, Mateus ficou mais ainda”, comentou Eliete, frisando que o garoto sonha em ser caminhoneiro e também passear de trem.

Fonte: www.correio.rac.com.br